O clima barcelonês

Barcelona pode ser encantadora em qualquer época do ano, porém, no verão, praias, ruas e obras de arte reluzem em uma cidade perfeitamente arquitetada e cheia de cores, sabores e animação

Aline Porfirio

Há quem acredite que ela foi fundada por Hércules, deus grego que, na mitologia, representa a força. Barcelona fica na Espanha, na região da Catalunha, cujo povo se autodeclara independente do país ao qual pertence. É cercada pelo mar Mediterrâneo, que proporciona um clima de verão quente, mas com brisa agradável. Barcelona é considerada cidade-irmã de três capitais brasileiras: Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. As semelhanças com o nosso país vão além do clima quente. São cores, sabores e culturas que se misturam em uma só cidade. De junho a setembro, o verão toma conta da Europa, quando os dias são mais longos e quentes.
Marco Antonio Felix visitou a cidade no verão de 2013 e ficou maravilhado. O relações-públicas conta que a harmonia presente em Barcelona contagia qualquer visitante. “Barcelona tem um clima inexplicável. A arquitetura de Gaudí está muito presente nas ruas; a temperatura alta, porém agradável, e a oferta de atrações, como bares e restaurantes, tornam-se um contexto inesquecível”. Ele destaca que, na época, optou por ficar hospedado em um hostel, para ter a oportunidade de conhecer outras pessoas de diferentes culturas. “Estar em Barcelona é se dar a chance de conhecer mais sobre o país, a cultura e outras pessoas. Fiquei num hostel chamado Kabul, que proporcionava uma programação interna para os hóspedes e também organizava saídas pela cidade. Expandi muito meu conhecimento sobre outros países dessa forma”.
A cidade é popularmente conhecida pelas cores e formatos do visionário artista Auntoni Gaudí, arquiteto catalão autor de obras como a Sagrada Família, Casa Milá, Park Güell, Casa Batlló, entre outras. Muito à frente do seu tempo, o arquiteto brincava com a mescla de arte neogótica com o modernismo, cores, formas geométricas e ilustrativas, como as escamas de um dragão, que podem ser vistas no topo da casa Batlló. Seu maior legado foi a Catedral da Sagrada Família, principal ponto turístico da capital da Catalunha. Ele tomou o projeto para si em 1883, quando tinha 31 anos, e se dedicou até o fim da vida a sua construção. Porém, a obra sofreu diversas paralisações por guerras e conflitos, e, infelizmente, Gaudí faleceu sem terminá-la. A catedral ainda está em construção, e deve ser finalizada somente em 2026.
Essa mistura de arte também representa a cultura de Barcelona. Marco lembra que, até mesmo passeios simples, como nas Ramblas, como são chamadas as ruas principais de largas calçadas, tornam-se atrativos na cidade em um dia de verão. “Quem vai a Barcelona não pode deixar de visitar os mercados de rua. Neles se encontra uma infinidade de comidas maravilhosas. Um passeio pelos calçadões do centro, um almoço, tendo a paella como prato principal, e uma tarde na praia de Barceloneta não podem faltar”, explica. Localizada bem no centro da cidade, é o principal ponto de visitação de turistas, pois sua baía exibe luxuosos iates, além de um espaçoso calçadão para a prática de esportes. Também é possível andar de teleférico e passar bem próximo ao W. Hotel, uma das mais famosas obras de arquitetura do mundo moderno. Uma parada nos bares à beira-mar também é uma boa pedida em um dia de sol.
Em dias de verão, na Europa o sol se põe perto das 23 horas, o que permite que o visitante deslumbre muito mais daquilo que a cidade tem a oferecer. Ao anoitecer, é possível visitar outra obra de arte moderna da cidade, o espetáculo das fontes mágicas (Font Montjuic). Ela fez sua primeira apresentação em 1929, e sofreu diversas alterações durante o decorrer dos anos. Em 1976, a fonte ganhou uma de suas principais características atuais: a música. O funcionamento da fonte parte da sala de telecomando informatizado, instalada no final de 1990. Em setembro de 2011, a Font Màgica de Montjuïc ganhou gerador, editor e simulador de coreografias, em 3D, e, assim, novos espetáculos de luz, água e música passaram a ser criados em apenas três minutos. Ela foi cenário, inclusive, para a gravação do cantor Freddie Mercury com a cantora lírica Montserrat Caballé, usada como tema dos Jogos Olímpicos de 1992.
Já a culinária catalã é um conglomerado de sabores. Os catalães adotaram os legumes secos dos soldados romanos; os produtos e técnicas, principalmente, em confeitaria, dos judeus e árabes; as batatas, da Europa, e tomates, chocolate e outros produtos, da América. É impossível não experimentar a tradicional tortilha, uma mistura de ovos, batatas e cebola, que formam uma suculenta omelete, com todo o tempero da região. O carro-chefe de Barcelona é a paella, um tipo de risoto feito à base de frutos do mar. Ela é servida em diversas variações e com dezenas de opções de arroz, sendo o negro um dos mais exóticos e procurados por turistas. Para sobremesa, o famoso Creme Catalão, feito de ovos, creme de leite, limão e canela.

Related News

Comments are closed

Revista Beach&co