Especialização veterinária: mais um avanço do mercado pet

Veterinário oncologista, endocrinologista, dermatologista e oftalmologista são apenas algumas das especializações oferecidas atualmente em benefício dos amados animais

Morgana Monteiro

Mais de 50 milhões de cachorros; 38 milhões de aves; 22 milhões de gatos; 18 milhões de peixes e outros animais acolhidos por lares brasileiros. Esses números são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados ano passado, e ajudam a entender o sucesso do mercado pet, que faturou nada menos do que R$ 19 bilhões em 2016. E a grande vedete dentro dessa fatia generosa é o segmento saúde. Impulsionado pelo avanço da tecnologia – exames, medicamentos, atendimentos especializados -, cresceu 13%, se comparado ao ano anterior (2015).
Em uma época em que as pessoas cortam gastos, esta área se destaca por causa da mudança de comportamento dos tutores de animais de estimação: há algum tempo, cães, gatos e outros bichos passaram a viver dentro das casas e ganharam o status de membros da família. Como sobem no sofá, dormem no quarto e dividem o ambiente com as crianças, passaram a ser mais bem cuidados por seus donos. A atitude, que antes era curativa, tornou-se preventiva. Débora Roman Torres Librandi, veterinária clínica geral, diz: “Percebi que o atendimento personalizado, na casa em que o paciente vive, trazia muitos benefícios na consulta e diagnóstico. Esse foi o principal motivo para optar pelo homecare veterinário”. A profissional já teve consultório, mas modificou a condução do seu trabalho, após verificar o crescimento do mercado e as necessidades dos clientes.
Exemplo disso foi a mestiça de daschund e SRD (sem raça definida), a cachorrinha Magali. Atendida por Débora em dezembro de 2015, após se lambuzar em uma travessa com restos de chester que encontrou na cozinha, fez exames de sangue e ultrassom que detectaram problemas no fígado e pâncreas. Mas foi o teste de glicemia que apontou o principal problema da cachorra: diabetes. “Encaminhei o animal imediatamente para um endocrinologista. Oferecer um atendimento personalizado é, sobretudo, pensar na saúde do paciente como um todo. Atualmente, percebo que de dez cães e gatos que visito, pelo menos metade deles é encaminhada para endocrinologia, oftalmologia ou acupuntura”, afirmou Débora.
Pesando 13 quilos, cinco acima do ideal, Magali iniciou o tratamento com o veterinário endocrinologista Matheus Albuquerque. Dieta rigorosa, insulina duas vezes por dia, com medições de glicemia anotadas, e a cachorrinha conseguiu controlar a doença e perder peso. A aposentada Ivone Souza, “mãe” de Magali, conta: “Foi muito trabalhoso, mas toda dedicação valeu a pena. Hoje, Magali está bem, embora tenha perdido a visão por causa do diabetes e da idade avançada – já tem 13 anos”.
O poodle Léo, que Matheus acompanha há quatro anos, é outro caso bem sucedido de tratamento. Acometido por hiperadreno, uma doença em que o animal produz corticoide além da conta, por problemas hormonais, passou a seguir uma dieta rigorosa e muitos remédios. Dos 14 quilos, emagreceu cinco. Solange Pereira não mede esforços para manter a saúde do amigo de quatro patas que adotou ainda bebê. “Todo investimento vale a pena. Hoje, mantenho a saúde de meu cachorrinho com muita salada, petiscos de baixa caloria e caminhada constante”.

Caminho sem volta
Luiz Roberto Biondi, coordenador do curso de medicina veterinária da Unimes, afirma que, com a evolução da medicina veterinária, nos últimos 20 anos, cães e gatos por exemplo, praticamente dobraram sua expectativa de vida. “Não é raro famílias se endividarem, buscando salvar seu animal de estimação. A tendência no meio universitário, de ir além do clínico geral, decorre da importância que os pets ganharam junto às casas, onde são membros da família. Por outro lado, no campo da produção animal, a busca por novas tecnologias e a produção mais eficiente e com menor impacto ambiental levou ao surgimento dos especialistas em diversas áreas”.
No Hovet, Hospital Veterinário da Unimes, também coordenado pelo Dr. Biondi, pelo menos 70% dos atendimentos são direcionados às especialidades de cirurgia ortopédica e oncologia. Da média de 430 animais recebidos mensalmente, pelo menos 300 passam por esses especialistas. O local também conta com cardiologista, odontóloga, e especialista em clínica de animais selvagens e exóticos; faz exames de sangue, eletrocardiogramas e ecocardiogramas, cirurgias ortopédica e oncológica. O Hovet funciona como hospital-escola da Faculdade de Medicina Veterinária da Unimes, e é referência no tratamento oncológico animal. O local tem um corpo clínico para tratamento do câncer animal, sala para quimioterapia e um setor de esterilização semelhante aos hospitais humanos.

Mercado em ascenção
De acordo com o Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo, atualmente, são mais de 30 mil médicos veterinários em cidades paulistas, trabalhando em 80 áreas de atuação. Eles representam 38% do efetivo nacional de médicos-veterinários.
A doutora Samantha Crosio Padeiro, especializada em oftalmologia veterinária, faz parte dessa estatística. Dedica-se à saúde ocular de cães, gatos e outras espécies de animais, incluindo as silvestres. Ela conta que os problemas mais corriqueiros em seu consultório são de cães com úlceras de córneas em qualquer idade, má formação de pelos em regiões palpebrais de filhotes, olhos secos e cataratas, estas últimas, com maior frequência em animais idosos.
A oftalmologista investiu em equipamentos para obter resultados mais rápidos nos diagnósticos de seus pacientes, como um aparelho que afere a pressão intraocular, que diagnostica casos de glaucoma e inflamações; lâmpada de fenda, que é uma fonte de luz de alta intensidade, que facilita avaliação mais precisa e detalhada da pálpebras, esclera, conjuntiva, íris, cristalino e córnea; oftamoscópio indireto, que avalia o fundo do olho; clear view, que fotografa a retina; além de ultrassom ocular; eletrorretinografia (mede a condutibilidade elétrica da retina); entre outros.
Para ela, a capacitação continuada é a chave do sucesso e do crescimento do mercado de saúde pet. “Espero com muito otimismo que nossa região tenha veterinários especializados em várias áreas de atuação. Acredito que todos ganham com isso. Seja o proprietário, que não perde tempo e consegue respostas mais ágeis e específicas, seja o veterinário que, a partir da sua expertise, conseguirá atuar de maneira mais precisa e com qualidade profissional. E, finalmente, o mais importante: os animais que ganham, cada vez mais, qualidade de vida”, completou Samantha.

Related News

Comments are closed

Revista Beach&co